02 Mar 2019
Março 2, 2019

(Des)Leal

0 Comment

(Des)Leal

“O jornalista deve relatar os factos com rigor e exatidão e interpretá-los com honestidade. O jornalista deve utilizar meios leais para obter informações, imagens ou documentos”.
A honestidade e a lealdade são valores que se repetem no Código Deontológico do Jornalista. Deveriam sobrepor-se à luta pelo share de audiências, mas para alguns profissionais a lealdade será apenas um nome. Talvez mesmo um apelido…
Assombra-me o facto de uma jornalista surgir na televisão com objectos furtados a um Órgão de Polícia Criminal, apenas para afirmar que andam a desaparecer objectos desse OPC.
Para além do péssimo jornalismo, absolutamente vazio de conteúdo, assombra-me que uma profissional do jornalismo não investigue as suas fontes. Pior, que se associe a delinquentes, a troco do que considera ser um furo jornalístico, apropriando-se de objectos furtados, não pelo valor dos objectos em si, mas apenas para mostrar ao mundo que é possível fazê-los desaparecer. Afirmou que se não estivessem na sua mão poderiam estar noutro lado qualquer. Até mesmo no lixo! Perante tamanha falta de ética, custa-me perceber a diferença…

A opinião do Presidente da Direção Nacional da ASF-ASAE na edição do CM de 18/02/2019.
Bruno Figueiredo

https://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/bruno-figueiredo/detalhe/desleal?cleancache=limpa&act=0&est=Premium&fbclid=IwAR2hJNdcp1u9r6b-VDqYz-pc4f3-UqOCZwMlGPWgfa9VEi7wriTujC–Okk