18 Fev 2018
Fevereiro 18, 2018

Em estado de negação

0 Comment

Em estado de negação

Numa recente entrevista à revista “Aqui é Fresco”, o Inspetor-Geral da ASAE declarou que as 160 mil reclamações que a ASAE recebe anualmente, “ajudam a orientar a ação preventiva”. Não se percebe como, sendo já público (e nunca desmentido), que as reclamações não estão a ser analisadas. Talvez assim se previnam as inspeções aos agentes económicos que são alvo da denúncia dos consumidores e não tenhamos nós percebido o alcance das palavras do Senhor Inspetor-Geral, que se inserem na sua linha de gestão: “laissez faire, laissez passer”.
Se, por um lado, o Estado tem como incumbência prioritária “garantir a defesa dos interesses e dos direitos dos consumidores” (artigo 81º da CRP), por outro, parece que o desenvolvimento da economia não se compadece com a salvaguarda dos direitos do consumidor.
Mas, pior que a incapacidade de dar resposta ao consumidor, é negar essa realidade e nada fazer para a contrariar.
E, nesse campo, também tem que se assacar responsabilidades à tutela, pois há muito que é conhecedora dos problemas. Em tempos, a ASAE era tutelada por uma Secretaria de Estado do Comércio e da Defesa do Consumidor. Hoje é só do Comércio. Palavras para quê?!

 

A opinião do Presidente da Direção Nacional da ASF-ASAE.

http://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/bruno-figueiredo/detalhe/em-estado-de-negacao?utm_medium=Social