01 Mai 2019
Maio 1, 2019

“Selo AHRESP”

0 Comment

Uma Associação deve representar os seus associados, defendendo os seus interesses. Mas para a AHRESP, que representa os empresários da restauração, não será bem assim. Não acredito que os empresários da restauração defendam a atribuição de um selo distintivo aos estabelecimentos fiscalizados pela ASAE que cumprem a legislação em vigor, quando o mesmo deturpará, em absoluto, a leal concorrência entre os operadores. Mas a AHRESP defende-o!
Dos 100 mil estabelecimentos de restauração que existem no nosso país, em 2018 a ASAE apenas teve capacidade para inspecionar 4 mil. Ao contrário do que tem sido propagado, o “selo ASAE” distinguirá os estabelecimentos fiscalizados cumpridores, daqueles que sendo ou não cumpridores, nunca serão fiscalizados. 96 mil estabelecimentos nunca terão um selo distintivo, simplesmente porque não há recursos humanos para os inspecionar. Um estabelecimento sem selo será, para o consumidor, um estabelecimento a preterir a favor de um que o tenha, situação ingrata e desleal para um operador igualmente cumpridor! Esta deturpação das regras do mercado tem não só a marca ASAE, mas também a marca AHRESP. Que interesses defenderá essa associação?

Bruno Figueiredo
A crónica do Presidente da Direção Nacional da ASF-ASAE na edição do CM de 29/04/2019.

https://www.cmjornal.pt/opiniao/colunistas/bruno-figueiredo/detalhe/selo-ahresp?fbclid=IwAR0wCYf81gZRGMSTmYgHQqn5rDDxJprq_rMjEbkSyVEBgqErwtoU10HsV6U